Fios soltos

Sonia Racy

19 de maio de 2010 | 08h11

O acordo Irã-Brasil-Turquia não tocou na essência do problema por lá: o enriquecimento de urânio a 20%. “Ahmadinejad não explica por que o Irã se recusa a parar de processar nesse nível. Para fins pacíficos, 3,5% bastam”, explica José Goldemberg, admitindo exceção: o funcionamento do reator médico.

Para um dos principais especialistas em produção de energia do mundo, grande crítico da energia nuclear, o Irã só quer ganhar tempo.

O Brasil errou ao entrar nessa história? “Olha, nos anos 90, tiramos o Brasil da suspeita internacional de que estaríamos fabricando armas nucleares. Hoje, podemos voltar a ser objeto de suspeita”, antevê o reconhecido professor, ex-reitor de USP, ex-ministro, ex-secretário do meio ambiente, vencedor do Planeta Azul, o Nobel da natureza.

Que pode ser visto, ainda depois dos seus 80 anos, andando todos os dias pela manhã no Clube Hebraica.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: