FHC analisa 2018 e diz que forças democráticas ‘têm pudor de falar em segurança’

Sonia Racy

26 Dezembro 2017 | 12h35

FHC EM SUA CASA. FOTO: EDUARDO NICOLAU / ESTADAO

Economia – especificamente salários e emprego –, segurança e ética, no caso o combate à corrupção, devem ser os temas decisivos, segundo o ex-presidente FHC, na disputa presidencial de 2018. “A campanha será centrada nessas três áreas”, resumiu, em entrevista à revista AmericaEconomia que está chegando às bancas.

Quanto ao clima exacerbado que preside os debates sobre segurança, FHC afirmou que “por causa do regime autoritário (de 1964), as forças democráticas têm pudor de falar em segurança – mas não estamos mais na mesma situação de antes”. Não se trata agora, diz ele, “da repressão política, como no passado: agora é segurança para a população”.

FHC falou também das chances de Alckmin e do PSDB. Disse que, para ganhar, ele – ou qualquer outro – terá de organizar “um centro popular democrático e progressista”, mas tudo dependerá “da capacidade de o candidato expressar um sentimento que una. Quem for capaz disso pode ganhar a eleição. Não acho que o Brasil vá para o radicalismo.”