Fernández, presidenciável argentino, vai com Chico visitar Lula

Fernández, presidenciável argentino, vai com Chico visitar Lula

Sonia Racy

17 de setembro de 2019 | 17h27

 

PETISTAS DIANTE DA PF EM CURITIBA. FOTO: ESTADÃO

 

Favorito na disputa presidencial argentina, Alberto Fernandéz faz uma pausa na campanha para visitar Lula, nesta quinta-feira à tarde, na prisão da Polícia Federal em Curitiba. Estará com o cantor Chico Buarque e sua namorada, a advogada Carol Proner, mais o ex-chanceler Celso Amorim, que foi ministro das Relações Exteriores de Lula.

Fernandéz, que tem a ex-presidente Cristina Kirchner como vice na chapa, esteve com o petista no primeiro turno das eleições. Lula ponderou que a proximidade poderia prejudicar a campanha do amigo. “Alberto respondeu que estar com ele é bom em todos os aspectos”, contou à coluna o advogado Luiz Carlos da Rocha, que acompanha Lula, em Curitiba, desde o primeiro dia da prisão, em abril do ano passado.

Não é só visita de cortesia: Fernandéz é professor de direito penal e civil. E Celso Amorim encabeça as atividades do Comitê Internacional Lula Livre.

O grupo, que entende ter havido violação de direito do ex-presidente, quer avançar no tema com questões práticas. A partir de segunda-feira, Lula pode progredir para regime semiaberto ou prisão domiciliar. “Ele não vai pedir nada à Justiça. Não vai se dobrar a qualquer coisa que reconheça alguma legitimidade no processo que sofreu”, assegurou Rocha.

Chico Buarque esteve pela última vez com Lula em agosto do ano passado, ao lado de Martinho da Vila.

Tendências: