Feitiço contra feiticeiro

Sonia Racy

26 de maio de 2011 | 23h10

Com o PT acusando Mauro Ricardo Costa, secretário da Prefeitura paulista, de quebra de sigilo da empresa de Palocci, um conhecido político lembrou bem na mosca. A dita MP 507 – criada pelo governo Lula a toque de caixa, em outubro de 2010, quando os dados de Verônica Serra foram violados – não foi votada a tempo pelo Congresso e perdeu sua eficácia… em março.

Ela disciplinava as punições pelo acesso de pessoas não autorizadas a informações protegidas por sigilo fiscal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.