Fandango vira polêmica entre ambientalistas e Iphan na Jureia

Fandango vira polêmica entre ambientalistas e Iphan na Jureia

Sonia Racy

20 de fevereiro de 2020 | 00h43

JUREIA, NO LITORAL PAULISTA. FOTO: ESTADÃO

 

Tido como “a principal pérola ambiental do Estado”, o chamado Mosaico da Jureia, no litoral sul de São Paulo, virou queda de braço entre ambientalistas e o Iphan. Na origem, um pedido feito pelo escritório paulista do instituto à Fundação Florestal para que autorize seu pessoal a entrar na área. Motivo? Avaliar se um importante patrimônio cultural, a dança conhecida como fandango caiçara, estaria ameaçado. O que exige várias visitas à região, que se estenderiam até abril.

Defensores atentos daquela área, como Fábio Feldmann, José Pedro de Oliveira Costa e Gláucia Savin, da OAB, estranharam o argumento. Têm na memória um episódio recente de invasão de área próxima que resultou num processo hoje em tramitação no MP na Baixada Santista. E temem que, de algum modo, a ação do Iphan “legitime a posse de pessoas que não estavam lá”, segundo a advogada Savin.

Outro lado

Procurado, o Iphan, em Brasília, diz ter recebido pedidos de ajuda de moradores segundo os quais o fandango estaria ameaçado na região.

No momento, diz o instituto à coluna, existem apenas “tratativas com a Fundação Florestal para entender a situação”. Avisam que a equipe técnica tem especialistas em arqueologia, antropologia e gestão ambiental. E garantem: seus estudos “ainda estão em andamento”.

Outro lado 2

As explicações do Iphan não tranquilizam o pessoal do meio ambiente. “Por que estudar o fandango no Mosaico e não em Iguape?”, pergunta Feldmann. “Preservar um bem desses não exige um lugar específico. Deixem o Rio Verde em paz”, acrescenta a advogada da OAB.

Em alta

A rede RAPS começa o ano eleitoral no embalo. Tem 249 integrantes programando concorrer às eleições de outubro. E seu deputado federal Rodrigo Agostinho (PSB) é o novo coordenador da recém-criada Frente Parlamentar Ambientalista.

Carnaval seguro

Em parceria com o coletivo “Não É Não”, voltado para a defesa de mulheres contra o assédio no carnaval, o app Ame Digital lançou… um botão do pânico.

Quando acionado, ele notifica a viatura policial mais próxima por meio de geolocalização. O app distribuirá gratuitamente tatuagens exclusivas para blocos de Rio e SP.

Conexão carnavalesca

Marina Ruy Barbosa virá direto de Los Angeles para participar do trio de Ivete Sangalo em Salvador, no dia 23.

A atriz também vai ao camarote para convidados da cantora, patrocinado pela rede social Tik Tok – aplicativo mais baixado no mundo em 2019.

Renovado

O Instituto Francisco Brennand, no Recife, planeja uma nova exposição permanente do artista plástico. Uma curadoria das obras já expostas no espaço bem como de trabalhos guardados na reserva técnica e criação de novos circuitos de visitação estão nos planos do instituto.

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: