Explicando o Itaú

Redação

29 de agosto de 2008 | 16h43

Muitos se perguntavam ontem como fica o Banco Itaú. Pudera, nos arquivos da Bovespa, a família Setubal simplesmente não aparece no controle acionário da holding Itaúsa. Surpresos? A explicação é simples: o lote de ações de Olavo Setubal, de 29%, foi repartido pelos filhos e a CVM somente coloca os nomes dos acionistas com posição acima de 5%. Cada um dos sete filhos tem 4,14% da Itaúsa com direito a voto.

Mas, então, o Itaú não é da família Setubal? Os Setubal e a família Villela tem 59% das ações votantes do Grupo Itaúsa, que estão na empresa ESA – Egydio Souza Aranha. E têm um acordo longo para compartilhar a gestão com executivos de confiança das duas famílias.

Portanto, nada muda. Ah!Além dos Villela/Setubal, a maior posição acionária do Itaúsa pertence à Camargo Correa com 10% das ações.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: