‘EUA ficarão isolados’, diz Eddé sobre embaixada em Israel

‘EUA ficarão isolados’, diz Eddé sobre embaixada em Israel

Sonia Racy

08 Dezembro 2017 | 01h00

CARLOS EDDÉ

CARLOS EDDÉ. FOTO: EDUARDO NICOLAU/ESTADÃO

A decisão de Donald Trump de mudar a Embaixada dos Estados Unidos para Israel é lamentável, pois vai aumentar a crise, vai perpetuá-la por muito tempo. Isso diante de um consenso praticamente mundial de oposição a esse ato unilateral. A opinião é do cientista político Carlos Eddé.

Neto do presidente do Líbano Emile Eddé, o meio-libanês-meio-brasileiro acredita que Trump está mais uma vez desafiando a comunidade internacional em questões que são globalmente aceitas. “Essa questão de Israel vai dificultar qualquer solução a médio e longo prazo”, destaca.

Por estar sob pressão agora, com a eleição no Alabama do juiz republicano radical Roy Moore, para o Senado, Trump, na opinião de Eddé, quer desviar a atenção dessa e de outras questões internas. “Ele não está só cumprindo uma das promessas de campanha. Candidatos à Presidência fizeram essa mesma promessa e, depois, ninguém cumpriu porque ela vai contra o interesse nacional americano”.

Trump deixou todos os seus aliados do mundo árabe e islâmico em situação difícil. Na Arábia Saudita, segundo Eddé, as iniciativas do príncipe Mohammed bin Salman são perigosas e precisam do apoio dos EUA. “Isso vai ser usado contra ele pela oposição interna e pode levar à desestabilização do país”.

No ver de Eddé, outros países, percebendo que os americanos estão sendo governados por ‘uma pessoa irresponsável, inconstante’, vão começar a fazer acordos isolando os EUA. Resultado? Mais força para as presenças russa e chinesa na cena internacional.

E o Líbano, como fica? “Somos contra essa atitude de maneira unânime. Essa questão supera as questões internas políticas de países árabes.”

Leia mais notas da coluna: 

IDDD vai participar da ação do PSOL para descriminalizar aborto

Exposição de gravuras chega ao Tomie Ohtake em 2018