‘Cara nova’ para explicar ação do MP

Sonia Racy

04 de fevereiro de 2016 | 01h20

O escolhido para falar sobre a decisão, na Suíça, que considerou ilegal a transferência para o Brasil de documentos referentes à Odebrecht – porque a Justiça local ainda não havia aceitado o pedido feito pelos investigadores brasileiros – foi o procurador Paulo Galvão.

Segundo se apurou, o MPF colocou uma “cara nova” para lidar com o problema. Galvão faz parte da Operação Lava Jato há muito tempo mas nunca foi porta-voz.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.