Estranha, a vida

Direto da Fonte

20 de junho de 2013 | 01h07

Inicialmente contratado para defender cinco jovens apontados como líderes do protesto de sábado, em Brasília, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, viu o número de clientes diminuir para apenas um– Gabriel Elias.

O governo do DF considerou os outros quatro, que trabalham na administração pública, inocentes. “É inadmissível criminalizá-lo por uma atividade de movimento social”, diz o advogado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.