Está dito

Sonia Racy

24 de junho de 2014 | 01h01

Se o tamanho da indignação de Ueze Zahran, da Copagaz, sobre a possibilidade de vender um pedacinho minoritário da empresa for proporcional à sua determinação, os interessados em adquirir uma parte ou toda a companhia já podem tirar seu time de campo.

Do alto dos seus quase 90 anos, Zahran está convicto: não vende a Copagaz de jeito algum.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.