Escuridão

Sonia Racy

01 de maio de 2014 | 01h04

A Petrobrás foi responsável pela venda de nada menos que… 98% do volume total de energia térmica comprada ontem no leilão promovido pelo governo federal.

Considerado um sucesso, o negócio fará a estatal perder R$ 230 milhões por mês ou cerca de R$ 2,8 bilhões ao ano – segundo soma feita pelo respeitado consultor Adriano Pires.

Escuridão 2

A matemática é simples. A estatal estava vendendo a mesma energia no mercado livre por R$ 822 cada MWh. Agora, pós-leilão, vai entregá-la por meros R$ 272.

Levando em consideração que a Petrobrás vendeu 574 MW, chega-se ao número de Pires. O consultor lembra ainda: as térmicas usam gás importado mais caro que o da Bolívia. “O break even, hoje, dessa operação está em R$ 400.”

Escuridão 3

Consequência da negociação? A Petrobrás, para não perder dinheiro, deve tentar trocar gás importado por nacional – este consumido pelas distribuidoras responsáveis pelo abastecimento de… indústrias e residências.

Vale registrar que esse leilão não foi feito para gerar energia nova e, sim, para resolver problemas fiscais do Tesouro e da CCEE. “Ao corrigir um erro, o governo Dilma comete outro”, sentencia Pires.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: