Escolaridade e uma cidade estruturada ajudam a ser feliz, diz pesquisa

Escolaridade e uma cidade estruturada ajudam a ser feliz, diz pesquisa

Direto da Fonte

23 de fevereiro de 2022 | 04h50

Viver em cidade estruturada e segurança financeira ajudam na felicidade. Foto: Getty Image

A felicidade do brasileiro na média não vai bem. Foto: Getty Image

Pesquisa realizada pela Unifesp em parceria com o Instituto Locomotiva, sobre a “distribuição da felicidade” pelo País aponta que “o brasileiro, na média, não está particularmente feliz, mas essa não é uma realidade de todos os perfis”. Isso porque a felicidade “depende muito de como o cidadão enxerga suas condições de vida”.

Felicidômetro

Fatores relevantes, no caso, começam pela escolaridade e a idade. Além disso, viver em uma cidade maior e mais bem estruturada “tem grande peso nisso, assim como uma situação financeira segura”. Para organizar a tarefa, a pesquisa montou cinco grandes perfis de personalidade, que chamou de “amabilidade, conscienciosidade, neuroticismo, abertura a experiências e extroversão”.

Preparo

A delegada Raquel Gallinati é a nova aposta do RenovaBR em seu projeto de formar novos talentos para a função pública. Ela lidera o Sindpesp, que representa os delegados paulistas – seara predominantemente masculina – e deve sair candidata a deputada estadual. Entre outras, é coautora de Combate à Violência Contra a Mulher – Lei Maria da Penha.

Predestinado

Chega ao Brasil o livro que conta a história do médium brasileiro Arigó, uma celebridade nacional dos anos 50, que atendeu, entre muitas personalidades, a filha do ex-presidente Juscelino Kubitschek.

Os relatos de testemunhas de seus feitos foram reunidos pelo escritor norte-americano John G. Fuller, na obra Arigó e o Espírito do Dr. Fritz. Que sai em abril, pela editora Pensamento.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.