Escola de rock

Escola de rock

Sonia Racy

27 de agosto de 2013 | 01h09

Foto: Iara Morselli/Estadão

O Brasil já tem seu Jack Black. Brincadeiras à parte – e elas têm sido, nos últimos meses, uma constante na vida de Nando Ramos–, abre as portas hoje, em São Paulo, a School of Rock, cuja missão é ensinar música a “crianças de todas as idades”.

Criada em 1998, a rede norte-americana de escolas de música ganhou ainda mais prestígio após o filme homônimo de 2003 e já conta filiais em sete países.

A ideia é bastante simples: “A gente coloca os alunos no melhor lugar para se aprender rock de verdade: o palco”, diz Nando, diretor geral da empresa no País. “A ideia é proporcionar a atmosfera e os processos envolvidos em um verdadeiro concerto de rock, ao som de Led Zeppelin, Beatles, Rolling Stones etc.”

Ao se matricular na School of Rock, o aluno, experiente ou iniciante, passa a integrar o elenco de um show, que será ensaiado durante a temporada e apresentado ao final do semestre. “Já as aulas individuais semanais têm o objetivo de preparar os alunos para suas participações nesse show”, explica Nando. Há dois anos trabalhando para trazer a escola ao Brasil, ele conta que o grande problema foi encontrar “uma casa perfeita”. O lugar escolhido fica em Moema e foi 100% aprovado pelos norte-americanos.

Na grade de cursos, guitarra, baixo, bateria, teclado e vocal. “Tem música para todos os gostos”, diz Nando. Os professores, todos multi-instrumentistas, dão aula para crianças a partir dos 4 anos. E o lugar tem espaço para workshops. “Vamos trazer gente graúda para aumentar ainda mais o som”, diverte-se o CEO. Os vizinhos podem ficar tranquilos: o sistema de isolamento acústico da escola é top de linha. Jack Black iria gostar! /DANIEL JAPIASSU

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: