Escola 2

Sonia Racy

17 de agosto de 2011 | 23h04

A vinda de Camila representa a busca de um intercâmbio maior entre estudantes latino-americanos. Segundo a UNE, ativistas chilenos desejam adquirir o know-how da união estudantil brasileira em sua briga por investir recursos do pré-sal na educação.

Querem fazer o mesmo em Santiago com o cobre.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: