Equilíbrio

Sonia Racy

18 de fevereiro de 2016 | 00h48

Ao final da reeleição de Leonardo Picciani, ontem, como líder do PMDB na Câmara, o veterano Jarbas Vasconcelos explicava: não foi votar “porque tanto ele quanto Hugo Motta são contra o impeachment”.

Sua esperança, agora, é que os oito nomes que o vencedor pode indicar para a comissão do impeachment de Dilma “sejam representativos” do partido.

“E não gente de um lado só, para agradar ao governo.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.