‘Enxugamento’ de operações da Vale pode gerar ‘inconfidência mineira’

‘Enxugamento’ de operações da Vale pode gerar ‘inconfidência mineira’

Sonia Racy

31 de janeiro de 2019 | 01h00

VALE. FOTO: RICARDO MORAES/REUTERS

VALE. FOTO: RICARDO MORAES/REUTERS

Há quem acredite na deflagração de uma nova inconfidência mineira assim que o “enxugamento” das operações da Vale anunciado anteontem – corte de 10% da produção em consequência da determinação de fechamento de cerca de 10 barragens – começar a surtir efeito.

Em 2017, a mineradora distribuiu R$ 1,8 bilhões a Estados e a mais de 100 municípios. Em 2018, este montante aumentou, passando para R$ 2,6 bi.

Adivinhem onde se concentram mais de 50% das cidades? Em Minas. Esses recursos têm sido fundamentais para pagar as contas públicas.

Prova que a diminuição dos repasses gera mudança de opinião é a transformação do prefeito de Mariana, Duarte Júnior. Começou chamando a Vale de “assassina” para, dois anos depois da tragédia, passar a exigir que a Samarco voltasse a… produzir.

Hedge

A Vale busca gente para formar um novo comitê de risco e outro de vítimas. O assunto será debatido na reunião de conselho da mineradora.

Estranha, a vida

As ações da Vale se valorizaram 9% ontem, refletindo a perspectiva de redução de produção anunciada.

Aviso prévio

Cresce, no mercado, a crença de que quem deve ser criminalizado pela tragédia de Brumadinho são os negligentes que não seguiram os procedimentos de monitoramento.

Barragens, pelo que se sabe, não rompem sem avisar!

Leia mais notas da coluna:
No Senado, ainda não é certo que votação para presidente será secreta
Rapper Xis é o novo assessor de hip hop da Secretaria Municipal de Cultura

Tendências: