Entre criminalistas

Sonia Racy

09 Dezembro 2016 | 01h18

No jantar de confraternização do Instituto de Defesa do Direito de Defesa, anteontem, a opinião era unânime: a liminar de Marco Aurélio Mello para afastar Renan Calheiros da presidência do Senado foi precipitada.

Outro assunto que pontuava nas rodas, o de que Temer não deve chegar até 2018.

Criminalistas 2

Crise de protagonismo pessoal. É assim que o criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira define as cenas dos últimos dias em Brasília. Para ele, a situação é mais grave que uma crise de protagonismo institucional. “Última coisa desejável no Judiciário”.