Entre a cruz…

Sonia Racy

08 de maio de 2013 | 01h09

Como vice-governador, Guilherme Afif, segundo apurou a coluna no Bandeirantes, conta hoje com staff de 25 pessoas – entre elas um ajudante de ordens e 10 soldados para cuidar de sua segurança pessoal. E tem direito a usar essa estrutura, somada ao salário de R$ 19,6 mil.

Além de dois carros oficiais: um para ele, outro para sua mulher, Silvia.

…e a Esplanada

Acontece que Afif pretende optar por receber o salário maior, o de ministro, de R$ 26,7 mil, como ocorre em outros casos de dupla função. E aí começa o problema: constitucionalmente, o vice não pode abrir mão de seu salário ou benesses do Estado.

O que fazer? O novo ministro busca saída jurídica.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.