Em nome delas

Sonia Racy

28 Setembro 2013 | 01h06

Apesar da recente pesquisa do Ipea – segundo a qual a Lei Maria da Penha não reduziu as mortes de mulheres por agressão –, Eleonora Menicucci, da Secretaria de Políticas para as Mulheres, defende sua eficácia.

Os números: 38 mil agressores presos entre 2006 e 2012. E os serviços de atendimento saltaram de 500 para 1.200. “Além de proteger as mulheres, ela criminaliza o agressor”, diz.