Em meio à pandemia, pré-candidatos a prefeito de SP se articulam online

Em meio à pandemia, pré-candidatos a prefeito de SP se articulam online

Sonia Racy

03 de maio de 2020 | 00h46

CENTRO DE SÃO PAULO – FOTO: TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

A pandemia da covid-19 mudou a rota dos pré-candidatos a prefeito de SP. E deixou a eleição municipal, em outubro, em suspenso. O TSE vai adiar? Marta Suplicy, do Solidariedade, e Márcio França, do PSB, acreditam que sim – para dezembro. Bruno Covas, do PSDB, prefere não opinar, “pois sou pré-candidato declarado”.

Filipe Sabará, do Novo, e Arthur do Val, o ‘Mamãe Falei’, do Patriota, acreditam que o TSE manterá as datas. Todos concordam, porém, com Andrea Matarazzo, do PSD, e  Jilmar Tatto, do PT: tudo vai depender da curva de casos da doença. Até lá, articulam online.

‘Morando’ no seu gabinete na Prefeitura há quase dois meses, Covas tem uma agenda pesada que inclui visitas a hospitais e almoço-reunião presencial com Doria, no Bandeirantes. A cada três semanas, faz sessão de imunoterapia no Sírio-Libanês. Sem tempo, parou de ver a série O Alienista. “Mas faço questão de ajudar meu filho, online, nas lições da escola”.

Marta se refugiou, há mais de 40 dias, na casa de praia no Guarujá, com Márcio Toledo. Juntos, fazem faxina e… caminhada de 10km dentro do condomínio. À noite, cozinham e assistem a lives, como a de Andrea Bocelli. Por sugestão de Marília Gabriela, começaram a assistir à série Os Caminhos do Senhor.

Matarazzo também faz longas caminhadas dentro de… casa, para onde levou sua mãe. Já a esposa, Sonia, foi para a fazenda com os netos.  Ele está dando aulas online no Ibmec. Mas reserva tempo para reler Matarazzo, Colosso Brasileiro, de Ronaldo Costa Couto, e A civilização do espetáculo, de Mario Vargas Llosa. “Adorei a live da Ivete Sangalo, gosto muito do astral dela”, conta o empresário.

De youtuber a segundo deputado mais votado de SP,  Arthur do Val tem usado ainda mais suas redes sociais. Só no Youtube, está com mais de 2,5 milhões de inscritos. Mas sai da internet para fazer… faxina – mora sozinho. “Só não cozinho. Peço tudo por aplicativo”.  E a política? “Articulei muita coisa via Zoom, só não posso antecipar”.

Já Tatto ‘corre’, mesmo sem quase sair de casa, para ser o escolhido do PT – entre outros seis nomes no páreo municipal. E quando sai, usa máscara de pano. Fora política, estuda. “Estou lendo muito sobre mobilidade, principalmente para minha tese de doutorado sobre esse tema na Poli-USP”. Intercala com o livro Manipulados – Como a Cambridge Analytic e o Facebook invadiram a privacidade de milhões…

Márcio França comprou uma caixa de máscaras no dia 1º de fevereiro e partiu para o litoral. “Todos em casa riam de mim”. E no dia 26 do mesmo mês o Brasil teve o primeiro caso de covid-19. Na quarentena, se “distrai” cozinhando. “Virei uber. Faço e levo”.

Sabará é a favor do isolamento, mas “sente falta” de um plano gradual de retomada. “Até quando isso vai durar? Quais são os planos para o comércio e escolas?” Enquanto isso, “estuda” a cidade de SP. “Tenho falado com especialistas e aprimorado a proposta de plano de governo”. \CECÍLIA RAMOS

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: