Em Davos, investidores querem saber da capacidade de executar propostas

Em Davos, investidores querem saber da capacidade de executar propostas

Sonia Racy

24 de janeiro de 2019 | 01h00

JAIR BOLSONARO. FOTO: MARKUS SCHREIBER/AP

JAIR BOLSONARO. FOTO: MARKUS SCHREIBER/AP

Participantes do Fórum Econômico Mundial em Davos constatam pergunta repetitiva feita por potenciais investidores e interessados no Brasil: querem avaliação de seus pares brasileiros sobre a capacidade do governo Bolsonaro de executar propostas econômicas anunciadas este ano.

A maior parte dos estrangeiros que costuma frequentar o Fórum já absorveu o fato de que o modus operandi na economia mudou, bem como a filosofia política.

Há insegurança quanto a propostas

Entretanto, demonstram insegurança quanto à implementação de propostas econômicas que exigem mudanças da Constituição.

Duvidavam ontem também da redução de impostos anunciada por Paulo Guedes. “Se seguirem o histórico no Brasil, vão só taxar dividendos”, explicou um deles ao colega estrangeiro. E querem ver, para crer, a aprovação de projetos mais simples que precisem de algum tipo de aval do Congresso.

Demandas a Guedes

Banqueiro em São Paulo dá conselho a Paulo Guedes: “Ele ainda não entendeu que não é candidato a nada: precisa é entregar”.

Leia mais notas da coluna:
+ A investidores, Bolsonaro cita Previdência e diz que Brasil fará ‘lição de casa’
Frase de Paulo Guedes agrada à iniciativa privada