Em Charleston

Sonia Racy

19 de junho de 2015 | 01h06

Menos de 24 horas depois do ataque à igreja em Charleston, na Carolina do Sul, mais de quinze páginas, bastante antagônicas, foram criadas no Facebook sobre o atirador, Dylan Roof.

Enquanto uma pedia a pena de morte do suspeito, outra sugeria que ele se candidatasse à Presidência dos EUA. Todas trazem informações sobre Dylan e updates sobre o caso.

Charleston 2

No discurso sobre o ataque, Obama criticou a política de armas vigente no país. Mal ele terminou, vídeos começaram a ser postados no YouTube com comentários demonstrando preocupação com as observações feitas pelo presidente.

Um deles com os dizeres “o presidente usará Charleston para confiscar suas armas”.