Em Charleston

Sonia Racy

19 de junho de 2015 | 01h06

Menos de 24 horas depois do ataque à igreja em Charleston, na Carolina do Sul, mais de quinze páginas, bastante antagônicas, foram criadas no Facebook sobre o atirador, Dylan Roof.

Enquanto uma pedia a pena de morte do suspeito, outra sugeria que ele se candidatasse à Presidência dos EUA. Todas trazem informações sobre Dylan e updates sobre o caso.

Charleston 2

No discurso sobre o ataque, Obama criticou a política de armas vigente no país. Mal ele terminou, vídeos começaram a ser postados no YouTube com comentários demonstrando preocupação com as observações feitas pelo presidente.

Um deles com os dizeres “o presidente usará Charleston para confiscar suas armas”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.