Em Brasília, polêmica entre Gilmar e Janot

Sonia Racy

24 de agosto de 2018 | 01h00

RODRIGO JANOT

RODRIGO JANOT. FOTO: ED FERREIRA/ESTADAO

Consta que Rodrigo Janot, ex-PGR, convidou para ser seu defensor um dos maiores críticos do que o criminalista chama de “excessos do Lava Jato”: Antonio Carlos da Almeida Castro.

Para quê? Advogar em processo contra Gilmar Mendes. Consultado ontem, Janot negou ter tido qualquer contato com Kakay.

Fonte do meio jurídico assegura que o ex-PGR chegou a telefonar para o criminalista. Procurado, Kakay – que não responde a perguntas quando não interessa – ignorou WhatsApp da coluna.

Janot, porém, ao ser perguntado se procura alguém para tomar conta do caso, disse: “Não comento sobre isso”.

Qual a acusação contra Gilmar? O ministro disparou críticas na sessão de terça-feira da Segunda Turma do STF. Acusou Janot de tomar oito doses de uísque durante o expediente e de ter acuado o STJ com “um inquérito absurdo” contra dois ministros da casa… à procura de indícios de crime. “Ridículo”, concluiu o ministro.

Leia mais notas da coluna:

PT perde primeiro pedido de resposta contra Alckmin

Dumping em aluguéis leva insatisfação à Faria Lima

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: