Efeito Galliano

Sonia Racy

02 de março de 2011 | 23h03

Amir Slama, estilista de ascendência judaica, vê exagero na demissão de Galliano da Dior. “O que ele disse no bar deve ter sido loucura de bêbado”, afirmou.

Mas considera estranho ele frequentar Marais – bairro judeu parisiense – enaltecer Hitler e, ao mesmo tempo, criticar judeus. “O ditador alemão também eliminava homossexuais e Galliano é gay”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.