E AGORA… O QUÊ?

E AGORA… O QUÊ?

Direto da Fonte

22 de junho de 2013 | 01h05

Foto: Paulo Giandalia/Estadão

Silvio Caccia Bava, sociólogo, diretor e editor-chefe do Le Monde Diplomatique Brasil e ex-diretor da Associação Nacional de Transportes Públicos, falou à coluna sobre a onda de manifestações no País.

Por que está tão difícil traçar um perfil desse movimento social?

Eu também estou tentando compreender até agora. E não é nada fácil. Acontece que as manifestações foram agregando pautas. Em um primeiro momento, era o Movimento Passe Livre. Quando a polícia foi extremamente violenta, houve uma sensação de indignação geral. Começam a surgir indícios de que existe um grande desabafo.

Como assim?

É uma espécie de grito da sociedade, rebelada contra as condições de vida nas cidades. Não se trata apenas de transporte, mas, também, de violência, educação, saúde, dívidas a pagar… E uma juventude que não consegue se empregar e não enxerga um futuro.

O movimento é difuso?

Está apontando para uma ideia de luta pelo direito à cidade, de reapropriação do espaço público. E com toda a variedade de grupos: direita, esquerda, radicais. É um momento de radicalização. Agora, nas manifestações, aparecem gritos de “sem violência” se contrapondo aos de “sem burguesia”. É muito difuso. Eu fico preocupado com os desdobramentos, porque isso pode dar em nada.

E a questão do apartidarismo?Muitos defendem manifestações apartidárias; já outros acham isso antidemocrático. 

O movimento não é de esquerda nem de direita. Deveria poder contemplar e aceitar todas as manifestações. Mas uma parte dos que estão na rua não tem visão de democracia. E não quer se misturar com outra que repudia, não quer ver o movimento ganhar uma coloração partidária. Considero isso natural. Passaria a ser um problema se eles não pudessem se expressar. Mas as bandeiras continuam lá. /MARILIA NEUSTEIN

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.