Dúvida cruel

Sonia Racy

01 de outubro de 2013 | 01h02

Quem acompanha a vida da TIM não consegue entender muito bem por que Dilma desautorizou as recentes declarações do ministro Paulo Bernardo.

Há meses a operadora de celular conversa com a Telefônica para tentar acertar divisão da empresa em três partes. Com o intuito de adaptá-la à lei das comunicações vigente por meio de parcerias.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.