Dúvida

Sonia Racy

07 de novembro de 2013 | 01h09

Tem gente vendo problema no fato de Haddad e Mário Spinelli (corregedor-geral do Município) terem pago, do próprio bolso, por uma sala de escuta. Isso, em tese, fere os princípios de impessoalidade, equilíbrio e isonomia. Afinal, o poder de investigação é monopólio do Estado.

Fonte do MP afirma que a tese não procede.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: