Dupla sertaneja defende o feminismo sem mimimi

Dupla sertaneja defende o feminismo sem mimimi

Sonia Racy

07 Setembro 2018 | 00h05

Foto: Arquivo pessoal

As “maratonistas” Simone & Simaria – dupla feminina sertaneja – acumulam mais de 10 milhões de seguidores no Instagram, uma rotina de 40 shows mensais e quatro músicas no ranking nacional do Spotify. Ufa!

“Essa coisa da energia já está dentro de nós duas. Somos assim naturalmente, faz parte do DNA da família, que é muito divertida. Tá tudo ruim e eles estão dando risada”, explicou Simaria à coluna, encontrando brecha para conversa antes de pocket show dos 18 anos da Plié, no QG do Fhits.

Como enxergam o empoderamento feminino e o que vocês fazem para colaborar?
Simone: Então, nós somos mulheres fortes, guerreiras, desde muito novas. Fomos à luta muito cedo.
Simaria: Com toda certeza. Não tem como você ouvir uma música que está falando que você é bela, que você é importante, que você é linda, que você tem que se amar, que você tem que se inspirar em coisas bonitas e você não seguir adiante.

Se consideram feministas?
Simone: Ah, um pouco, não assim, radical…
Simaria: Claro que se a gente tiver que ir pra cima pra defender as mulheres com unhas e dentes a gente vai na hora, agora, radical, assim, de tudo virar mimimi não.
Simone: A mulher ela merece respeito.

Estamos em fase de eleição, a questão da mulher em alta… Vocês acompanham isso?
Simone: Para ser sincera, sou muito desligada. Se você procurar algumas entrevistas minhas, meu apelido é “Doris”, porque eu vivo voando o tempo todo. Às vezes eu estou falando uma coisa, me foge o raciocínio na hora. Então, acredito que a Simaria seja muito mais ligada nessa.
Simaria: Sou muito conectada, mas o lance da política é meio complicado de falar. Fico meio assim, meio com o pé lá e cá pra comentar sobre esses assuntos porque são coisas que dividem opiniões. E às vezes as pessoas não entendem. Vivemos tempos em que, infelizmente, não se pode dizer o que se pensa. Se o fizer, você é apedrejado, crucificado, tudo mais que você pode imaginar. / MARILIA NEUSTEIN