Doria descarta envio de novo projeto da reforma da Previdência

Sonia Racy

08 de fevereiro de 2020 | 00h52

Doria se reuniu ontem com o líder do PSDB na Assembleia, Carlão Pignatari e, por ora, está descartado o envio à Casa de novo projeto de reforma da Previdência do funcionalismo público paulista. A ideia chegou a circular nos bastidores, mas o governo vai aguardar a posição do presidente do STF, Dias Toffoli, que decidirá o imbróglio.

A oposição conseguiu travar a tramitação quatro vezes. “Se liberar, vamos pôr em votação imediatamente”, antecipa Pignatari. Depois, a prioridade, disse, é retomar o plano de desestatização.

Diálogo

Aldo Rebelo atuou de conselheiro informal de Joice Hasselmann, anteontem, num voo BSB – SP. Sentados lado a lado, o ex-ministro ouvia da deputada sua estratégia para disputar a prefeitura de SP. E alertou: a eleição na capital será Bolsonaro x Doria. E nessa guerra “vale até apoiar a esquerda”… desde que não seja um petista.

O casal paga

O TJ-SP incluiu a ex-mulher de um acionista também como devedora em processo milionário sobre responsabilidade, envolvendo relações comerciais entre empresas internacionais e brasileiras.

A decisão abre precedente raro, no Brasil, de responsabilização patrimonial de cônjuges e ex-cônjuges. De acordo com o escritório BVZ Advogados, o réu transferiu parte de seus bens para o nome da mulher, que jamais fez parte de qualquer negociação com a empresa. O regime de casamento era em comunhão de bens.

Rede segura

O Google entrevistou 400 pais de crianças e adolescentes brasileiros para saber quais os maiores riscos na área de segurança online. Para 39%, os maiores problemas são o hackeamento de contas e a eventual fragilidade das senhas. E 33% acham que a maior dificuldade é fazer com que os filhos respeitem o tempo estipulado de permanência nas redes.

Em outra frente da pesquisa, 200 professores foram entrevistados e para 83% deles os pais não fazem o suficiente para garantir que os alunos estejam seguros na internet.

Reconstrução

A Petrobrás vai doar R$ 1,4 milhão para Minas Gerais e Espírito Santo, castigados pelas chuvas. A doação contribuirá para a recuperação das cidades atingidas e atendimento à população afetada.

Patrimônio ampliado

O carnaval paulista acaba de se tornar “patrimônio imaterial” do Estado, por decisão unânime do Condephaat. A ideia ganhou corpo há dois anos, na Liga Independente das Escolas de Samba – que de início sugeriu a homenagem apenas para “os Desfiles das Escolas de Samba”.

Na avaliação do pedido, a Condephaat decidiu ampliar a homenagem, por entender que os desfiles “são a finalização de um processo diversificado e de grande riqueza cultural”. Assim, o título, formalizado pelo secretário Sergio Sá Leitão, vai para as “Práticas Carnavalescas do Estado”. A Liga não se importou. Consultada, informa que “se sentiu muito honrada” em ter dado a partida no projeto.

Não é não

A prefeitura paulistana montou parceria com o coletivo As Minas para instalar 22 tendas de acolhimento nas ruas por onde passarão os blocos de carnaval, entre o próximo dia 15 e 1.º de março – sempre ao lado de postos médicos.

Em cada tenda, uma equipe que inclui “anjos” voluntários do Catraca Livre, mais advogadas, psicólogas e assistentes sociais do governo do Estado.

A tarefa? Acolher e atender foliões e foliãs a respeito de assédio e abuso sexual, além de dar orientação sobre trabalho infantil e distribuir preservativos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: