Diva, ventilador e estádio lotado

Redação

09 Fevereiro 2010 | 08h33

A exemplo de Madonna, Beyoncé, que está em turnê pelo Brasil e se apresentou sábado no Morumbi, adota esquema de segurança inspirado na linha esconde-esconde.

Como assim? Na sexta, mandou um carro estacionar em frente ao Hyatt sinalizando ser ela dentro do veículo. Engano, a diva já havia entrado. O fato se repetiu quando entrou no Morumbi, sábado, para o show. E depois, no backstage, a volta do mistério. Cadê a nova diva do pop? Está ali, não, não está… e eis que ela surge de ponto inesperado, com algum atraso.

Beyoncé entrou no palco às 22h15 com a pompa e a circunstância desenhadas por Thierry Mugler. Show extremamente bem acabado, a cantora deu demonstrações do que é aliar profissionalismo, técnica e tudo o mais que Deus lhe deu.

Alma? Com toda a parafernália, para que, se fez um show-espetáculo que levou o público à loucura? Em especial, a turma gay. Performática, a cantora chega à perfeição: linda, figurino impecável, fôlego impressionante, voz em plena forma e um telão de alta definição que a faz ainda melhor. Para ninguém do próximo século botar defeito, Beyoncé mostrou por que vendeu 6 milhões de cópias de seu último disco e ganhou 28 prêmios Grammy em sua carreira. Também soma 28 a idade da estrela – que, definitivamente, chegou para ficar nesta nova era dos astros multifuncionais pré-fabricados.

Antes do espetáculo, porém, na pista Vip (ingressos a R$ 600 na bilheteria e R$ 900 nos cambistas) a banda e os dançarinos fizeram questão de assistir ao show de Ivete Sangalo. Além de registrarem o momento com fotos, apontavam para o braço – mostrando como estavam arrepiados com a vibração do público.

No melhor estilo “low-profile”, de havaianas, a equipe se esbaldou no rebolado axé. Ashley Everett, uma das dançarinas de cabelo black power, que não sai do lado de Beyoncé durante o show, perguntou à coluna: “Como faço para dançar igual a ela?”

Já a cantora baiana, irônica, tirou fita-crepe da marcação do show do Beyoncé e soltou: “Vou vender isso aqui no Twitter, vai valer uma fortuna…”

Ainda na pista vip, Simoninha furou fila para comprar cerveja. Na sequência, uma moça tentou fazer o mesmo e foi retirada pelos policiais.

Houve quem preferisse ficar longe dos privilégios. Raí – que tem camarote próprio no estádio – optou por assistir ao show na pista comum. E, depois do espetáculo, a dona da noite não se encontrou com ninguém.

Pergunta que não quer calar: o que seria de Beyoncé sem os fortes ventiladores que movimentaram sua cabeleira durante todo o show?