Ligados a Olavo de Carvalho, diretores da TV Escola são demitidos

Sonia Racy

31 de janeiro de 2020 | 22h46

OLAVO DE CARVALHO. FOTO: REPRODUÇÃO

OLAVO DE CARVALHO. FOTO: REPRODUÇÃO FACEBOOK

A Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto demitiu toda a diretoria da TV Escola esta semana. O blog apurou que foram quatro pessoas desligadas da direção da TV pública e todas seriam “olavistas” – como são chamados os ‘seguidores’ do escritor Olavo de Carvalho.

Ideólogo da direita e conselheiro do clã Bolsonaro, Olavo foi professor do ministro da Educação, Abraham Weintraub, que no fim do ano passado decidiu não renovar o contrato com a Roquette – gestora da TV Escola, TV INES (ligada ao Instituto Nacional de Educação de Surdos) e da Cinemateca Brasileira. Foi Olavo também quem indicou o antecessor da pasta, Ricardo Vélez Rodrigues.

BOLSONARO E ABRAHAM WEINTRAUB. FOTO: CASA CIVIL / PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Uma fonte em reserva afirmou ao blog que o grupo olavista teria sido o foco do imbróglio que corroborou para a decisão de Weintraub, considerada por defensores do canal público como “muito radical”. Em dezembro do ano passado, inclusive, o MEC determinou o despejo da TV Escola das dependências do ministério em Brasília.

Pelo prestígio que tem com o presidente Bolsonaro, o ator Carlos Vereza chegou a ser chamado em Brasília pelo ministro da Educação, que o confirmou a descontinuidade do contrato que bancava a TV Escola. O canal exibia, na ocasião, o programa Plano Sequência, que o ator dirigiu sobre a história do cinema brasileiro. Uma das entrevistadas foi a atriz Regina Duarte.

Dias depois, o ministro recebeu o diretor da Roquete Pinto, Francisco Câmpera, a pedido de Vereza. A decisão do MEC não foi revertida, porém, à época,  Câmpera avaliou que a reunião foi “positiva”, que o ministro foi “gentil” e teria afirmado que “não dificultaria”o caminho da associação para conseguir novos contratos no Governo Bolsonaro. A associação já procurou a ministra Damares Alves e Regina Duarte, que aceitou o convite para ser a nova secretária especial de Cultura.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.