Malala vem falar de educação e direitos femininos em SP

Malala vem falar de educação e direitos femininos em SP

Sonia Racy

01 Julho 2018 | 01h00

MALALA YOUSAFZAI

MALALA YOUSAFZAI. FOTO: RUI VIEIRA/AP

Depois de muitos convites, Malala Yousafzai aceitou, finalmente, vir a São Paulo. Desembarca dia 9 de julho, em pleno feriado paulista, a convite do Itaú Unibanco. Entre outras, a mais jovem ganhadora do Nobel da Paz da história (em 2014, aos 17 anos), se dispôs a participar de evento no Auditório Ibirapuera — fechado para convidados — sobre o poder transformador da educação e da leitura.

Vai falar com quem? Com alunos de escolas públicas e de ONGs parceiras do banco envolvidas na mesma causa. Ana Lúcia Vilella, presidente e fundadora do Instituto Alana e conselheira do Itaú  Unibanco, vai conduzir a conversa entre a convidada, os jovens e pessoas engajadas em ações nas áreas de educação, leitura, direitos da mulher, vínculo familiar e tolerância. O evento será transmitido pelas redes de Facebook e Twitter do banco.

O roteiro de Malala, depois, pode incluir eventualmente outras cidades — mas isso não foi ainda definido. A jovem paquistanesa, que completa 21 anos daqui a duas semanas, foi ferida por um tiro de militantes do Talibã quando tinha 15 e, desde então, tornou-se uma figura conhecida mundialmente por sua campanha em defesa das mulheres e de seu direito à educação, numa região, o vale do Swat, onde a guerrilha havia imposto regras rígidas contra elas.

 

Leia mais notas da coluna:

Amoêdo, do Novo, define Christian Lohbauer como seu vice

Thompson Flores, do TRF-4, fala de presunção de inocência em São Paulo