Direto da SPFW

Sonia Racy

01 de fevereiro de 2011 | 23h15

Moda também é cultura. Dias depois de Paulo Borges, diretor-geral da SPFW, ser recebido por Dilma no Planalto e de ter garantido cadeira no Conselho Nacional de Política Cultural, Ana de Hollanda deu rasante no desfile de Ronaldo Fraga, anteontem. Ao contrário da presidente, que prestigia Luísa Stadtlander, sua costureira de longa data, a ministra optou por um bonito look da Maria Bonita Extra. Discreta, falando baixinho, afirmou que não é de “escolher roupa”.

Ao seu lado na fila A, Antonio Grassi, futuro presidente da Funarte, afirmou que “a moda sempre foi parte da nossa cultura e neste mês já fizemos avanços significativos com a criação da Secretaria da Economia Criativa”. Mas, continuou ele, é o primeiro passo. “Ainda vamos estabelecer interface com os ministérios da Educação e do Desenvolvimento”.

Diferente do que aconteceu domingo, a segunda na Bienal foi mais tranquila. Houve leve ensaio de vaia por parte dos fotógrafos no início da apresentação de Ronaldo Fraga quando a primeira modelo parou atrás de adereço de cena. Se continuasse neste formato, eles não conseguiriam registrar todos as peças. Alarme falso.

JOÃO LUIZ VIEIRA

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.