Direto do Camarote da Devassa

Sonia Racy

20 de fevereiro de 2012 | 23h02

Um esquadrão de guerra, à la Bope, foi montado para receber Fergieno camarote da Devassa, domingo, por volta das três da manhã. A cantora passou mal durante a tarde, dando chá de cadeira em Carlinhos de Jesus– que daria aulas de samba à moça no Copacabana Palace. Além do coreógrafo, uma banda de samba e um grupo de jornalistas acabaram dispensados por causa da indisposição da cantora. Personalidades inusitadas, como membros da família Kennedy, também estavam por lá. Primos do ex-presidente americano eram convidados de Romero Britto, homenageado da Renascer de Jacarepaguá.

Enquanto isso, Valério Araújo, estilista, cuidava pessoalmente da customização das roupas das coelhinhas de Cooper Hefner: “Fui buscar os sutiãs lá na Rocinha, por causa do bojo”, explicou. Sobre o jovem empresário, deu seu veredito, digno de carnaval: “Ah, eu pegava”.

Hefner, o herdeiro

Representando o pai, Hugh, que cancelou sua vinda por problemas de saúde, Cooper Hefner desembarcou – pela primeira vez no Brasil – acompanhado por seis coelhinhas da Playboy americana, quatro concorrentes a Garota Devassa e comitiva de 12 pessoas, entre empresários, fotógrafos e seguranças. Aos 21 anos, o herdeiro ainda estava tonto com o assédio quando recebeu a coluna para uma rápida charla individual, na área VIP do camarote.

Considera seu pai um homem corajoso?

Ele fez o que ninguém na época dele fez. Foi um dos primeiros a lidar publicamente com problemas que eram impopulares.

Que tipo de problemas?

Hum… direitos civis. Muitas questões que diziam respeito aos afro-americanos, nos anos 50 e 60. Ele apoiou essas pessoas que não tinham voz.

Vai votar em Obama?

Claro. Olhe quem está concorrendo contra ele… não dá!

O que o carnaval do Rio e a Playboy têm em comum?

O conceito de aproveitar a vida. Ser livre, dançar nas ruas. É o que tentamos representar: seja você mesmo e desfrute a vida.

Consegue entender a razão de tanta alegria?

Faz todo o sentido. E se você pensar no contexto da economia global… é ainda mais importante saber celebrar as coisas.

Sente-se pronto para assumir o império do seu pai?

Sim. Acredito em tudo o que meu pai construiu e amo a companhia. /MARILIA NEUSTEIN E PAULA BONELLI

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: