Direto ao ponto

Sonia Racy

06 de setembro de 2011 | 23h04

Shalom Simchon, ministro de Indústria, Comércio e Trabalho de Israel, fez pedido aos empresários brasileiros do Lide. Anteontem, durante jantar na casa da embaixadora Maria Elisa Berenguer, em Tel-Aviv. Que não permitam que o fluxo de comércio entre Brasil e Israel seja interrompido.

O temor do israelense não é o avanço da crise econômica mundial. E, sim, as consequências – ainda que veladas – do provável veto do Conselho de Segurança da ONU à criação do Estado palestino. Mesmo com a aprovação na Assembleia Geral, dia 20.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: