‘Dez Medidas’ são criticadas em audiência na Câmara

Sonia Racy

23 de agosto de 2016 | 11h05

Embora apoiado por 2 milhões de assinaturas e festejado por muitos procuradores, o projeto das “Dez Medidas Contra a Corrupção” terá vida dura no Congresso. Nomes de peso como Roberto Romano, professor de Ética da Unicamp, e o advogado Augusto Botelho  fizeram fortes reparos a vários artigos da proposta em audiência pública na Câmara, nesta segunda-feira à noite.

Romano elogiou a defesa da transparência mas criticou, entre outros, o artigo que prevê compensação  a quem contribuir para obter provas ou ajudar a encontrar bens em ação penal “É contra a fé pública mover profissionais à delação paga”, argumentou. Ele sugeriu prudência no uso de recursos, por temer que “sistemas punitivos se tornem autoritários”.

Botelho, que é conselheiro do Instituto de Defesa do Direito de Defesa, reprovou “os dispositivos que tratam dos recursos judiciais e das nulidades penais”. O que o Ministério Público propõe, disse ele, é “um Código de Processo Penal altamente voltado ao interesse da acusação”.

O relator Onyx Lorenzoni disse que vai “ouvir todo mundo” para melhorar o projeto. “Mas não dá para continuar com os atuais instrumentos, achando que eles são suficientes. Esse é um país que rouba R$ 100 bilhões por ano da administração pública”, acrescentou.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: