Desafio de educar

Desafio de educar

Sonia Racy

26 de abril de 2014 | 01h20

Foto: Iara Morselli/Estadão

Maria Antonia Civita está realizada. Seu Instituto Verdescola inaugura, hoje, nova sede na Vila Sahy, em São Sebastião. São 3 mil m² que vão abrigar 600 crianças e jovens no contraturno escolar – eles já frequentam o instituto espalhado por cinco casas pequenas e um galpão, agora unificados em um só imóvel. “Estou orgulhosa do espaço e otimista em relação a ajudar esses jovens”, explica a viúva de Roberto Civita. “Ele foi meu mentor, incentivador e exemplo de vida. Roberto viveu para educar, e pretendo fazer o mesmo”, diz a mãe de três filhas, emocionada, com o que chama de “meu novo bebê”. A seguir, os melhores momentos da conversa.

Você é paulistana. Por que uma ONG em São Sebastião?

Roberto e eu compramos uma casa na praia da Baleia – na virada do século. E eu me envolvi em questões ambientais locais. Lutamos muito pela interdição do lixão.

Foram bem sucedidos?

Criamos até uma APA para a região. Com isso, acabei conhecendo a comunidade do Sahy e senti a necessidade de criar um local para as crianças ficarem enquanto os pais trabalhavam. Começamos pequenos e hoje há 54 pessoas no Verdescola – cujo nome, aliás, foi ideia do Roberto.

O que vocês oferecem?

Apoio socioeducativo e cursos profissionalizantes. As crianças que frequentam o instituto vão melhor na escola e em casa. Temos 500 crianças e adolescentes na fila de espera e sei que podemos chegar a atender 1,2 mil com facilidade. É um desafio e tanto.

O contribuinte paga impostos para, entre outras, ter educação. Por que a iniciativa privada tem de arcar com esses custos?

Não dá para o Estado fazer tudo sozinho. Nós aqui conseguimos contribuições sem incentivo fiscal. Só o novo prédio nos custou R$ 7 milhões. Em 2010, lançamos uma campanha para buscar parceiros que investissem no projeto da construção de uma nova sede, em terreno doado pela Prefeitura de São Sebastião. Conseguimos.

Pode revelar seus parceiros?

Não, mas posso contar sobre a parceria que fizemos com a Petrobrás, em 2012, Gerando Futuros. Esse pessoal que fez o curso já está empregado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.