Depois dos tucanos, PSB pode criar problemas para Temer

Sonia Racy

14 Dezembro 2016 | 11h52

Não bastassem as dores de cabeça trazidas pelo PSDB, o governo Temer pode ter, até o final desta tarde, outro aliado a lhe trazer problemas: o PSB. Em reunião do diretório nacional desse partido, que acontece desde manhã em um hotel de Brasília, o pano de fundo dos vários temas é, na prática, uma luta entre governistas, que são maioria, e os “históricos” — que querem o afastamento da legenda do Planalto.

Dono de um ministério — o de Minas e Energia, com Fernando Bezerra — o partido apoiou a saída de Dilma e vem negociando com Temer um apoio que não é automático. No Congresso, criticou a PEC do Teto e promete brigar contra o texto da reforma da Previdência.

Seu presidente, Carlos Siqueira, diz não ter indicado nenhum ministro para o governo — e que este convidou um de seus quadros por conta própria. Por fim, alguns diretórios estaduais vêm pregando abertamente que o partido se afaste em definitivo da agenda governista.