Denúncia de fraude nas prévias do PSBD incomoda Arthur Virgílio

Denúncia de fraude nas prévias do PSBD incomoda Arthur Virgílio

Sonia Racy

22 de outubro de 2021 | 03h00

ARTHUR VIRGILIO. FOTO ALBERTO CESAR ARAÚJO/ ESTADÃO.

A denúncia de fraude nas prévias do PSDB assinada por apoiadores de Eduardo Leite incomodou o também candidato Arthur Virgílio. “Espero que seja sem fundamento, a fraude não combina conosco”, diz. Ele cobra apuração dos fatos , “precisa deixar claro se é verdade lamentável ou fake apelativo”, soltou para à coluna o ex-prefeito.

A representação endereçada à executiva nacional tucana aponta inclusão de 92 prefeitos e vice-prefeitos do Estado de São Paulo de forma irregular no sistema do TSE.

Vale registrar que a escolha do candidato tucano prevê urna eletrônica somente em Brasília, onde cerca de 1200 filiados  devem votar. Esse número de eleitores, segundo fonte do partido, significa algo como… 65% do peso dos votos da eleição. Mandatários e lideranças do PSDB têm maior peso do que militantes.

Doria deve visitar, em novembro, o Rio Grande do Sul, reduto de Eduardo Leite. Conta lá com apoio de Ieda Crusius, dirigente do PSDB Mulher.

 Mudança brusca 

Ainda de maneira não oficial, os organizadores do SPFW estão avisando que o evento, em novembro, vai se limitar ao online. Estariam cancelados os desfiles presenciais.

No palco

Rodrigo Maia é o convidado hoje do curso de pós-graduação da USP coordenado por Ricardo Lewandowski, do STF, e pelo professor Heleno Torres. Já palestraram antes, no mesmo curso, Michel Temer, o general Santos Cruz e Geraldo Alckmin.

Cortejo

Ieda Jatene deve ser eleita para a presidência da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo hoje. Em 45 anos, ela será a segunda mulher a assumir a entidade, que teve o seu pai, o ex-ministro Adib Jatene, como o primeiro presidente e fundador da SOCESP. Ela também formou chapa única com várias lideranças femininas da Cardiologia.

 Suor sem cerveja

Sofrendo cortes de patrocínio desde o ano passado – a exemplo de todo setor cultural – a 45.ª edição da Mostra Internacional de Cinema conseguiu ficar de pé.

“Tivemos o dobro do trabalho e mais custos do que no ano passado. Desta vez, por exemplo, não conseguimos pagar passagens para alguém vir”, explica Renata de Almeida, à frente do evento que começou anteontem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.