Decisão do STF passou Aécio à frente de Jucá e Renan

Sonia Racy

28 de setembro de 2017 | 01h10

TASSO JEREISSATI E AÉCIO NEVESAÉCIO NEVES, COM TASSO JEREISSATI NO SENADO. FOTO: ANDRE DUSEK / ESTADÃO

A polêmica decisão da Primeira Turma do STF, que anteontem impôs a Aécio Neves “recolhimento noturno”, não causou surpresa somente pelo ineditismo.

O senador mineiro é o terceiro político na lista dos mais encrencados no Supremo, com 12 processos. Em segundo vem Romero Jucá, que colecionou 14. E no topo da lista, com 18, o campeão absoluto… Renan Calheiros.

Reação do Senado reaproxima
PT ao PSDB e ao PMDB

No “embate” do Senado com o STF sobre o destino do tucano mineiro, o futuro a Deus pertence. Mas era bem forte, na reunião entre senadores da CCJ, ontem, o entendimento de que houve, sim, invasão de um poder sobre outro.

E era generalizado o sentimento de que isso é assunto para se decidir no plenário. Unanimidade que juntou, num bloco único, PSDB, PMDB e PT.

Em discurso de Fux, ‘só o
Judiciário’ salvaria o País

Teve gente lembrando ontem da fala de Luiz Fux, durante a reunião preparatória do XI do Encontro Nacional do Poder Judiciário, no dia 4 de setembro.

No qual o ministro do STF disse, textualmente: “A situação que está aí leva o Brasil ao naufrágio, e só o Poder Judiciário pode levar nossa nação a um porto seguro”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: