Debaixo do tapete?

Sonia Racy

03 de novembro de 2013 | 01h01

Enquanto os deputados não chegam a um acordo para votar o projeto de lei que regulamenta o trabalho terceirizado, copeiras e faxineiros da Câmara, em Brasília, sofrem.

A Unirio, prestadora de serviço que já teve mais de mil trabalhadores no Congresso, encerrou contrato com a Câmara há meses. Até hoje não pagou os 40% de FGTS dos trabalhadores. Não é a única.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.