Cronômetro

Sonia Racy

20 de março de 2016 | 15h04

Os criminalistas que frequentam Curitiba reclamam do tempo que lhes é dado para falar com seus clientes. São 30 minutos por dia e, ainda assim, por meio de microfone e com um vidro separando cliente e advogado.

Acham que, dessa forma, fica difícil montar uma defesa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.