Crise ‘de grátis’

Redação

23 de setembro de 2009 | 12h15

Acolher na embaixada Manuel Zelaya “é uma coisa esdrúxula, um problema que não tínhamos a menor necessidade de criar”, avalia Luiz Felipe Lampreia.

Por quê? Não se trata de caso clássico de asilo, segundo o ex-chanceler: o ex-presidente não estava sendo perseguido. Faria mais sentido deixar essa iniciativa nas mãos da OEA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.