Cravo e ferradura

Sonia Racy

16 de agosto de 2012 | 01h08

A bancada do agronegócio aproveitou “apagão” da base governista para aprovar o fim da preservação permanente dos chamados rios não-perenes – mudando texto do Código Florestal. Objetivo? Negociar o destaque pela suspensão imediata de multas ambientais.

Não se sabe ainda se a manobra vai dar certo. Mas ela é fruto, segundo ambientalistas, da briga entre ruralistas e governo – que acirrou ânimos e adiou para dia 28 a votação de emendas ao código.

Luiz Henrique, relator do projeto de lei, corre agora para evitar o pior – o decurso de prazo, em outubro, que anularia dispositivos editados por Dilma.

Tendências: