Costura fina

Sonia Racy

22 de outubro de 2013 | 01h08

Se o mercado se surpreendeu com a entrada das empresas, o governo Dilma, não. Acompanhava, há pelo menos dois meses, a formação do consórcio.

Vale lembrar que esta coluna registrou, em 8 de outubro, a presença da Shell no então provável grupo vencedor – composto por Petrobrás e chineses. A Total veio depois.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: