Corpo a corpo

Sonia Racy

31 de janeiro de 2011 | 23h03

Ontem, véspera da posse do sindicalista Marco Maia na presidência da Câmara, a Força Sindical preparou plano de guerra. Acampados no desembarque do aeroporto de Brasília, entre balões e cartazes, militantes abordavam parlamentares para convencê-los a votar pelo salário mínimo de R$ 580.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.