Coração aberto

Coração aberto

Sonia Racy

27 Setembro 2013 | 01h15

 

Foto: Iara Morselli/Estadão

Marcelo Rosenbaum desembarcou hoje em Xangai – convidado por Itamaraty e MinC. Vai falar sobre design social em evento do Mês da Cultura do Brasil na China. Pouco antes da viagem, o designer conversou com a coluna.

O que é o design social?

É um design que potencializa o ser humano, os saberes de cada comunidade. Que agrega valor ao que é produzido, para mudar o modelo produtivo.

Qual sua expectativa com essa viagem à China?

Estou indo com o coração aberto. A possibilidade de abordar esse tema na China, em si, já é fantástica. Vou falar em um centro cultural de Xangai e em duas universidades.

E como o Brasil pode ajudar os chineses?

Diferentemente da China, o Brasil é um país que abraça tudo e todos. Eu, por exemplo, sou filho de judeu alemão, russo, italiano e português católico. E nunca vi ninguém lá em casa dizendo que não é brasileiro. Essa tecnologia social é algo exportável, sim.

Não tem medo que os chineses passem a exportá-la?

(risos) Existem três verdades: a minha, a sua e a verdade propriamente dita. A gente precisa aprender a trocar informações – sem preconceitos. A tendência do mundo são as alianças. E precisamos abrir mais caminhos. /DANIEL JAPIASSU