Conversa necessária

Redação

18 de outubro de 2008 | 08h56

A briga entre bancos e empresas que fizeram contratos de derivativos fica mais feia a cada dia que passa. Há quem defenda um acordo entre as partes. Afinal, não interessa aos bancos quebrar uma empresa e não interessa a nenhuma empresa quebrar um banco.

Jairo Saddi, do Ibmec-SP, chega até a lembrar do caso, emblemático, da Procter & Gamble contra o Bankers Trust (hoje, Deutsche Bank). O prejuízo da Procter, que seria de US$ 100 milhões, acabou, em acordo, em US$ 30 milhões.

Melhor um mau acordo do que uma boa briga.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: