Controlar, nem pensar

Redação

22 de novembro de 2008 | 06h00

A crise pode ser enorme, mas os executivos continuam com um pé atrás quando se fala em supervisões e controles. Pesquisa encomendada pelo Allen & Overy, um dos cinco maiores escritórios de advocacia do mundo – e recém-chegado ao Brasil -, mostra que praticamente metade da classe não quer saber de palpites ou fiscalização dos empréstimos bancários.

Foram ouvidos 735 CEOs de todo o mundo no início de novembro e 45% se mostraram arredios a tais medidas. Enquanto 53% dos asiáticos admitem a idéia, apenas 36% dos norte-americanos e britânicos concordam que maior supervisão possa ser uma boa coisa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.