O Conselhão, em tempos de Temer

Sonia Racy

03 de maio de 2016 | 00h55

Se efetivado no cargo que ainda é de Dilma, Michel Temer pretende manter o chamado Conselhão, mas fazendo dele muito mais do que uma peça de marketing do governo.
Segundo se apurou, o vice-presidente quer montar um grupo que se torne um braço efetivo de apoio e discussão de políticas econômicas.

Para tanto, o vice-presidente planeja reduzir drasticamente o número de integrantes do grupo. Dos atuais 92 para algo entre… 15 a 20 participantes.